Todos se deliciam com longas histórias cheias de reviravoltas e personagens, todavia, sinto um prazer desmedido quando sou surpreendido por uma narração breve e cheia de nuances e profundidade. O conto é minha forma literária favorita e sinto que ele é alvo de preconceitos por leitores e editores.

Livros de contos são difíceis de ser publicados e muitas vezes encontram seu público em revistas especializadas ou antologias com diversos autores. O que parece ser difícil de entender, é que o conto é apenas uma forma que pode conter uma diversidade infinita de gêneros: Horror, Ficção científica, drama e etc. Criei o projeto Lendo mais contos com o intuito de divulgar e conhecer novas obras. Desta forma começo indicando 12 livros de contos que gosto muito e, tenho certeza, que algum deles irá disputar um lugar no seu coração de leitor. Explico a minha relação e o motivo das escolhas no vídeo.

1. Os Cavalinhos de Platiplanto

José J. Veiga – Companhia das Letras

13836_gg

2. O Aleph

Jorge Luis Borges – Companhia das Letras

12401 - Primeira poesia

3. Coisas Frágeis

Neil Gaiman – Ed. Conrad

coisas

 4.Coisas Frágeis 2

Neil Gaiman – Ed. Conrad

coisas_frageis2_

5. Realidades Adaptadas

Philip K. Dick – Ed. Aleph

realidades_adaptadas_01

6. Amálgama

Rubem Fonseca – Nova Fronteira

PV Rio de Janeiro (RJ) 02/10/2013 Capa de livro Foto Divulgação

7. Histórias de Amor

Rubem Fonseca – Nova Fronteira

4621

8. Histórias de Robôs Vol.3

Editado por Isaac Asimov – Ed. L&pm

imagem.dll

9. Joana e os Três pecados

Maria Helena Chein – Ed. UFG

joana

10. Contos maravilhosos infantis e domésticos

Irmãos Grimm – Ed. Cosac Naify

30361517

11. Na Berma de Nenhuma Estrada

Mia Couto – Companhia das Letras

images.livrariasaraiva.com.br

12. O Alienista (Conto)

Machado de Assis – Ed. L&pm

119108

Não se esqueça de inscrever-se em nosso canal do youtube e acompanhar nosso Especial de Férias.

 

About The Author

Crítico Literário

Fundador, Editor e proprietário do Cine Eterno e estudante de Engenharia Civil mas fascinado pela magia e poesia do cinema e da literatura. Acredita na potencialidade da arte como complemento do modo de vida humano, auxiliando, desvendando e por vezes mitificando diversos conceitos pessoais do homem. Como diria Chaplin " Num filme o que importa não é a realidade, mas o que dela possa se extrair a imaginação"