Antes de começar esse artigo, ressalto que essa não é uma discussão política. Não quero colocar direita e esquerda frente a frente ou mesmo tomar partido. A intenção é trazer argumentos lúcidos para entender o porquê dos negros ficarem de fora das indicações do Oscar, o prêmio mais importante do mundo cinematográfico.

Após ser anunciado todos os indicados ao Oscar, a imprensa não perdeu tempo e estampou seus jornais com a manchete “Pela segunda vez consecutiva, negros são deixados de fora do Oscar”. Pronto! Foi criada a polêmica. O assunto foi tão longe que houve pessoas querendo boicotar o Oscar. Chegou ao ponto da diretora da academia Boone Isaacs ter de se pronunciar sobre o assunto.

É inegável que a falta e diversidade entre os indicados é algo preocupante. Isso dificulta a ascensão dos atores negros, latinos, transexuais etc. Mas isso é culpa da Academia? A Academia de Artes e Ciências Cinematográficas odeia os negros e não os indica por isso? Não. Não é assim que funciona. Esse problema é tão complexo que culpar apenas a Academia é uma enorme canalhice! Se eles fossem de fato racistas, Alfonso Cuarón e Alejandro Gonzáles Iñárritu, ambos mexicanos, não tinham vencido na categoria de Melhor Diretor nos anos de 2014 e 2015, respectivamente. Além de que os negros não seriam SEQUER indicados em nenhuma edição. Sem mencionar que eles não teriam chamado um negro para apresentar a cerimônia deste ano. Não é isso que ocorre.

Não estou aqui para defendê-los. Eles poderiam sim ter indicados alguns atores negros nesta e em outras edições. Contudo, é difícil você ver atores negros interpretando personagens tão bons quanto os brancos. Eu não estou dizendo que os atores negros são ruins. Eles apenas pegam personagens fracos para interpretar. São personagens que na maioria das vezes são estereotipados, sem graça e/ou com pouca relevância na história. Mas por sorte isso não ocorre sempre! Como foi o caso de Forrest Whitaker que interpretou de forma impecável o presidente Idi Amin, em O Último Rei da Escócia.

Faltam oportunidades aos negros de interpretarem personagens carismáticos. Quando algum roteirista cria um personagem forte e com uma boa história, ele é oferecido a um branco. É óbvio que alguns personagens exigem que o ator seja branco. Como no filme “Lincoln” cujo protagonista foi interpretado por Daniel Day-Lewis, ou o filme “Bastardos Inglórios”, onde o Christoph Waltz interpreta um Coronel nazista. Mas qual era a necessidade do personagem Terence Flecther, o maestro de Whiplash, ser branco? Esse filme rendeu o Oscar de Melhor Ator Coadjuvante ao J.K. Simmons, muito merecido, diga-se de passagem, mas por que este mesmo personagem não pôde ser interpretado por um ator negro? A história sofreria alguma alteração? Faltaria coerência? Tenho certeza que não.

As pessoa leem uma manchete e já gritam aos quatro ventos “O OSCAR É RACISTA!”. Só que eles não enxergam que de nada a Academia pode fazer se os brancos atuaram melhor. E por que os brancos atuaram melhor? Por que pegaram papéis muito melhores. A Viola Davis é uma atriz incrível, mas se ela só pegar personagens fracos, como ela mostrará toda a sua capacidade? A verdade é que os produtores de Hollywood são racistas. Eles querem os melhores atores em seus papéis mas sequer dão chances aos atores negros de mostrarem o que sabem.

Há também de se lembrar que o cinema foi inventado em uma época onde o racismo era muito forte. E foi forte durante praticamente todo o século XX. Do início do século XX até meados do fim da Segunda Guerra Mundial era ridículo você dizer a um diretor e/ou um produtor para colocar um negro como protagonista em seu filme. Eles iriam rir, pois na época a ideia era absurda! E assim os brancos construíram uma vantagem história gigantesca. Sem falar no machismo. Se foi difícil pra uma mulher branca ganhar espaço no cinema, imagina pra uma mulher negra?

Este meu último parágrafo não foi para justificar nada. Isso aconteceu e pronto. Felizmente, e muito felizmente, os tempos mudaram. Hoje a ideia de uma superioridade racial é totalmente banal e patética. Logo, brancos, negros, orientais, latinos e índios são igualmente capazes de ganhar um Óscar. Mas a vantagem que os brancos levam dificulta isso. E agora com o mundo todo pressionando a Academia, pode ser que ela indique na próxima edição atores negros apenas para não criar uma má fama. E isso é ruim. Pois os negros continuarão tendo menos oportunidades, os produtores continuarão preferindo atores brancos, os melhores personagens continuarão indo para os brancos e os negros, latinos etc., ficarão com os mesmos personagens fracos e estereotipados.

A atitude do Spike Lee em boicotar o Oscar mostra o quanto essa situação é frustrante para ele. E com certeza essa frustração deve se estender entre todos os outros atores, diretores, roteiristas etc. O povo e a imprensa culpa e apedreja a Academia, que por sua vez tem apenas uma parte da culpa. Essa situação deixa os atores brancos em uma posição desagradável, pois parecem que eles são os monstros por terem sido indicados.

Sim, nenhum negro foi indicado ao prêmio de Melhor Ator ou Atriz ou mesmo nas categorias de Melhor Ator e Atriz Coadjuvantes. Há muitos culpados nessa história. Quem ganha com isso é a imprensa que sempre terá polêmicas para levantar o ódio e atrair seu público. No mais, todos saem perdendo. A sétima arte sai perdendo. O mais engraçado disso tudo, é que ninguém se revolta quando saem as notícias de que só atores brancos participarão de grandes filmes. A revolta só acontece quando os negros não participam das premiações. Se a revolta tivesse acontecido antes, com certeza haveria muitos atores negros sendo premiados. Ás vezes eu me pergunto se a preocupação dessas pessoas é realmente com as perdas que a Sétima Arte sofre ou se é simplesmente para esbravejar o ódio que há nelas. Acho que jamais terei a resposta.

 

About The Author

Crítico de Cinema

Escritor que sofre de amnésia, cronista, músico, fã de cinema, futuro roteirista, amante de todo tipo de arte e... o que eu ia falar? Oh, droga.